O caminho do Santos até a final da Libertadores

2020 foi um ano complicado para todos os times, mas o Santos foi um dos que sofreu as maiores dificuldades. Primeiro porque o clube vinha sendo mal administrado e acumulava altas dívidas. E segundo porque, com a pandemia, as receitas diminuíram muito, tornando ainda mais complexo lidar com essa situação. O Peixe chegou até a encaminhar algumas contratações, mas elas acabaram sendo barradas pela FIFA como punição pela inadimplência. Na época ninguém imaginava, mas este foi um mal que veio para o bem. Sem poder buscar atletas no mercado, a equipe paulista foi obrigada a utilizar os jovens da base, que vêm dando conta do recado. Mesmo proibido de contratar, com o capitão Sánchez lesionado, afundado em dívidas e com salários atrasados, o alvinegro está a 1 partida do tetra continental. Confira, abaixo, como foi o caminho do Santos até a final da Libertadores.

Como o Santos chegou à final da Libertadores?

O começo de temporada foi turbulento para o Peixe. Jogadores como o atacante Eduardo Sasha e o goleiro Everson entraram na justiça pedindo rescisão contratual por falta de pagamento. Algum tempo depois, o técnico Jesualdo Ferreira foi demitido. O cenário estava armado para uma temporada desastrosa. Mas, se a situação do clube era complicada no extracampo, dentro das 4 linhas mal se percebeu. Os Meninos da Vila foram se firmando, subindo de produção e conduziram o time à finalíssima sem grandes sustos. Em 12 partidas disputadas, o alvinegro sofreu apenas uma derrota. Ninguém apostava num desempenho tão bom assim. Mas, depois das últimas atuações, deve ter muita gente apostando. No título. Vamos ver o que rolou em cada etapa da competição?

Fase de grupos

Na primeira fase, o Santos foi quase perfeito. Em 6 partidas disputadas, foram 5 vitórias e 1 empate, o que garantiu o primeiro lugar do grupo com folga. O Peixe teve quase 90% de aproveitamento e somou mais que o dobro de pontos do segundo colocado! É verdade que os adversários não eram lá muito fortes: Delfín, Defensa y Justicia e Olimpia. Apesar de tradicionais, os paraguaios estavam em má fase – tanto que ficaram em último no grupo. Mas outros clubes também caíram em chaveamentos favoráveis e não aproveitaram tão bem. Enfim, os paulistas fizeram muito bem o dever de casa: se classificaram a 2ª melhor campanha geral e muita autoridade.

Oitavas de Final

Este possivelmente tenha sido o confronto mais difícil até o momento. Sem o treinador e 5 atletas contaminados pela Covid, o Santos foi a Quito enfrentar a LDU e fez bonito. Mesmo jogando na altitude, onde a maioria dos times vai mal, o time misto do Peixe venceu os equatorianos por 2×1. Porém, na volta, o alvinegro escapou da eliminação por um triz: perdeu em casa por 1×0 e quase tomou o segundo, que seria fatal. Não dizem por aí que, pra ser campeão, todo time precisa de um pouco de sorte? Contra a LDU, o Santos teve.

Quartas de Final

Nas quartas, o adversário foi o Grêmio. Semifinalistas nas últimas 3 edições da Libertadores e campeões em 2017, os gaúchos eram os francos favoritos do duelo. Só esqueceram de combinar com o Santos. No jogo de ida, em Porto Alegre, o Peixe fez uma ótima apresentação. Só não venceu por causa de um gol do tricolor aos 56 minutos do segundo tempo, marcado através de um pênalti questionável. Na partida de volta, porém, os paulistas não deram chance pro azar. Saíram na frente com 12 segundos de jogo e não sentaram em cima da vantagem: continuaram atacando e atropelaram por 4×1. Mesmo sem Soteldo, um de seus principais jogadores, o alvinegro foi superior durante os 180 minutos do confronto. A vaga para as semifinais foi carimbada com muito mérito e competência.

Semifinais

Um duelo com 9 taças de Libertadores em campo tem tudo para ser duríssimo, ainda mais quando o adversário é o Boca Juniors, né? Não para o Santos. Já no jogo de ida, na Bombonera, o time paulista dominou as ações e foi superior o tempo todo. Não venceu apenas por causa de um erro grosseiro do juiz, que deixou de marcar um pênalti claro sofrido por Marinho. E o VAR sequer analisou o lance, pode? Infelizmente, as competições organizadas pela CONMEBOL têm dessas coisas.

Mas os meninos da Vila não se deixaram abater e fizeram uma partida ainda melhor no Brasil. Em menos de 30 segundos, já tinham carimbado a trave. Aos 15 minutos, marcaram o primeiro gol com Pituca. No segundo tempo, levaram apenas 5 minutos para matar o jogo, com um gol de Soteldo e outro de Lucas Braga. Precisando fazer 3 para classificar, os argentinos começaram a perder a cabeça, e Fabra foi expulso por um pisão criminoso na barriga de Marinho. O Santos seguiu mandando no jogo e teve oportunidades de ampliar. Mas, com a classificação garantida, pôde administrar tranquilamente o resultado. Nada mal para um time que, segundo Cuca, foi escalado às 4h da madrugada do dia da decisão, não é mesmo?

Onde apostar

Pouca gente apostava nisso, mas dia 30/1, o Santos chega à final com plenas condições de levantar o caneco. Agora, tem muita gente apostando no Peixe – ou querendo apostar. Se for o seu caso, nossa sugestão é a 1xBet. Além de qualificada e confiável, a casa é conhecida por ter muitos mercados disponíveis. Em finais, as opções costumam ser ainda mais numerosas. Mas, se você preferir outras opções, as casas de apostas abaixo também são ótimas escolhas:

Curtiu? Então faça seu cadastro agora mesmo e comece a apostar!


Compartilhe:

Deixe uma resposta