US Open 2014 – Análise da 1ª Rodada (Parte I)

O último Grand Slam deste ano está valendo. Após as fases classificatórias, Nova Iorque respirará o tênis nos próximos dias. O AFC trás para você uma análise dos principais confrontos da primeira rodada no masculino. Com todos os atuais grandes nomes do circuito e os especialistas do piso na chave principal, o Brasil fica à mercê de uma boa apresentação de Thomaz Bellucci, que, ao menos já alcançou um muito bem quisto posto entre os 64 da chave de elite.

Entre os principais favoritos, Novak Djokovic, Roger Federer e o ascendente búlgaro Grigor Dimitrov. Correndo por fora, nomes que podem dominar a cidade das luzes que inspiram são os de John Isner, Jo-Wilfried Tsonga, Andy Murray, Stan Wawrinka e Milos Raonic.

Primeira rodada – 25/08 – (Segunda-feira)

Mikhail Youzhny (RUS) x Nick Kyrgios (AUS) – 12h00

kyrgios

Em contraponto, duas carreiras se encontram em Queens. Youzhny, um dos maiores nomes do tênis no Leste Europeu, em temporada de derrocada brutal, sem resultados expressivos ou ao menos regulares, enfrenta mais um dos jovens esportistas originários do fértil solo australiano, que cada vez mais revela talentos para o cenário mundial (vide Daniel Riccardo).

Apesar de seu maior feito ter sido conquistado na grama, ao bater Rafael Nadal em Wimbledon há alguns meses, Kyrgios tem um baita potencial, incoerente seria buscar medir suas qualidades em tal ponto, mas como na terra dos cangurus se aprende o tênis no duro, uma partida ao menos bastante equilibrada deve acontecer na metade do primeiro dia de tênis à vera nos Estados Unidos.

Jo-Wilfried Tsonga (FRA) x Juan Monaco (ARG) – 13h30

tsonga

A vitória de Tsonga em Toronto, na estrada para Nova Iorque e o US Open, é mais do que pode parecer. Foram caindo, uma um, pelo menos três grandíssimos candidatos a figurarem nas fases finais do Grand Slam até o título num desafio mor que foi a vitória sobre Federer na decisão. O francês, no seu melhor jogo, pode colocar em seu estande o caneco americano. Mas tudo se passa aos astros e a psique do francês se alinhando num determinado momento. Fechar o jogo.

Credenciado a chave principal determinantemente pelas ótimas participações do saibro em 2014, Monaco acabou derrotado por Tsonga em todos os quatro encontros de ambos até hoje. Somente um no duro. E por 3 a 0. Dos duros golpes de Tsonga no fundo de quadra Monaco já está calejado e pode vir a complicar. Ninguém deixa barato num Grand Slam. Mas o favoritismo inconteste é do francês.

Fernando Verdasco (ESP) x Blaz Rola (ESL) – 14h00

Ohio State Men's Tennis

Verdasco não é mais um dos habilidosos de uma geração estonteante da Espanha. Aos 31 anos, o canhoto é um dos pilares da vanguarda do melhor tênis do mundo há pelo menos uma década. Mas o duro não é a sua praia. Seu adversário de chave neste início de US Open não compartilha da experiência dos seus mais de dez anos como profissional no Circuito Mundial da ATP. Mas pode chegar bastante longe.

Blaz Rola não passou dos 23, mas também apresenta background. Da Rússia, Sérvia, República Checa, Eslovênia, Ucrânia entre outros, existe uma fluência no aparecimento de bons tenistas. E hei aqui mais um. Mais um? Ou este um pode escapar do linear dos comuns? O esloveno tem um biótipo esguio, longilíneo, e boas credenciais. Fez uma ‘pós-graduação’ em Ohio antes de sua profissionalização e já alcançou a segunda rodada do Australian Open neste 2014.

Thomaz Bellucci (BRA) x Nicolas Mahut (FRA) – 15h00

AEGON Championships - Day Three

Nicolas Mahut e Thomaz Bellucci tem praticamente uma mesma representação em seus países. Sem tanto brilho ou qualidade técnica provada com resultados memoráveis, ambos ainda estão à sombra de grandes nomes do tênis de seus países medindo, claro, as devidas proporções. E andar algumas casas em Grand Slams é resultado interessante para o ranking mundial. Leia-se, buscar uma segunda ou terceira rodada seria algo espetacular.

O brasileiro é sim o favorito para o encontro, fez frente ao canadense Dancevic, um bom jogador no duro, no único teste que teve no piso para a competição, e pode avançar. Precisa claro, apresentar o equilíbrio necessário para não se perder nos momentos decisivos, pois é um melhor jogador. Equilíbrio esse que Mahut já teve testado ao fazer o jogo mais longo da história do tênis contra John Isner. Foi derrotado, mas pode ser um jogador absurdamente paciente e mental.

Edouard Roger-Vasselin (FRA) x Tommy Robredo (ESP) – 15h30

robredo

Com retrospecto positivo no duro, aqui estão dois jogadores carimbados que muito bem poderia figurar juntos nas próximas fases da competição. No entanto, um terá que ficar pelo caminho e deve cair sobre o francês a dificuldade de enfrentar um Robredo coberto pela confiança de ter vencido o número 1 do mundo recentemente.

Todavia, é muito improvável que a partida fique nos três sets. E apesar de já terem ultrapassado a barreira dos trinta, a melhor preparação pode sim fazer a diferença. Aí Robredo tem novamente vantagem, o que leva a crer que a primeira rodada não será a linha final para o espanhol.

Stan Wawrinka (SUI) x Jiri Vesely (RCH) – 15h30

stan

Em 2014, Wawrinka concretizou sua posição entre os maiores do mundo e venceu seu primeiro Grand Slam. E foi no duro. Não, não a expressão, mas sim no piso. Aonde é um dos melhores do planeta sem sombra de dúvidas. Mas que será legal ver como se portará o suíço frente a um multi-talentoso jovem adversário, isso será.

Em seu segundo ano como profissional, entendam como quiserem, mas, Vesely tem um grande presente ao poder demonstrar do que é capaz ao enfrentar um dos favoritos  nos Estados Unidos. Ainda se firmando a nível mundial, é um dos grandes talentos europeus e deve beliscar alguns bons games logo mais.


AutorApostasFC apostasadmin
data25/08/2014


Compartilhe:

Deixe uma resposta